23.5.09

Boa leitura (23) - Uma literatura de invenção e memória


Lygia Fagundes Telles tem edições renovadas pela Companhia das Letras


Três meninas que nasceram na mesma casa que três mulheres de três PPPs estão de volta. Lorena, Lia e Ana Clara são as protagonistas de “As Meninas”, terceiro dos quatro romances de Lygia Fagundes Telles, lançado em 1973. Só para esclarecer o “parentesco”: em 1977, o segundo marido de Lygia, o crítico de cinema Paulo Emílio Salles Gomes, publicou sua primeira e elogiada obra de ficção, “Três Mulheres de Três PPPs”. Os textos foram escritos no apartamento do casal, em Higienópolis, São Paulo.

Com “As Meninas” (R$ 39,00), “Antes do Baile Verde” (contos, 1970, R$ 34,00) e “Invenção e Memória” (contos e reminiscências, 2000, R$ 32,50), a Companhia das Letras dá início à republicação de toda a obra da premiada escritora paulistana, imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL), sob a coordenação de Alberto da Costa e Silva, Antonio Dimas, Lilia M. Schwarcz e Luiz Schwarcz. São edições revistas pela autora, com novos posfácios, depoimentos tanto dela quanto de outros escritores e intelectuais, biografia e um projeto gráfico de Warrak Loureiro que inclui delicadas capas com detalhes de obras de Beatriz Milhazes.

“As Meninas”, sucesso de público e crítica, se passa naqueles tempos que, felizmente, já vão longe: de terror, cerceamento da liberdade e arbitrariedade política. A história se passa por volta de 1969, ano do famoso sequestro do embaixador americano Charles Elbrick, num pensionato católico para moças estudantes.

As personagens trazem em si traços sociais bem representativos da época: Lorena é uma moça sensível e sonhadora da classe média-alta, virgem e obcecada por um homem casado; Lia é nordestina, filha de um ex-nazista e uma baiana, idealista e militante de esquerda, ao lado do namorado, que está preso; Ana Clara é uma bela modelo, vem de família paupérrima e imagina que subirá na vida quando se casar com seu noivo rico — enquanto isso não acontece, passa os dias se drogando e fazendo sexo com o namorado traficante.

Por sua linguagem e estruturas inovadoras na literatura brasileira da época, o livro consagrou Lygia definitivamente também como grande romancista — ela já o era no gênero conto. Além disso, revelou uma autora ousada. No auge da ditadura, sob o governo de Garrastazu Médici (1968 a 1974), ela inseriu no romance o primeiro depoimento de tortura de um preso político, escamoteado na fala de uma personagem. Indagada sobre isso, perguntou: “Como eu poderia escrever um romance morno em pleno ano de 1970? Comecei a planejar o texto em 1970. Somos testemunhas e participantes deste tempo e desta sociedade com todos os seus vícios. E raras virtudes”.

O interessante posfácio do escritor Cristóvão Tezza contextualiza o romance no Brasil de então, mas ao fim conclui: “Apesar da presença da chama política, será mesmo a questão sexual e suas fronteiras o centro pulsante do livro inteiro”.

Já nos 18 contos de “Antes do Baile Verde”, o mal se instala sem alarde, como aponta o professor de literatura Antonio Dimas no posfácio, “e vai deglutindo, aos poucos, o que de saudável ainda restava na constituição psicológica dos personagens”. Estes transitam em meio a situações sobrenaturais, à solidão, a conflitos amorosos, à corrosão dos desejos, a situações que de um jeito ou de outro causam fissuras interiores irreversíveis.

Fina observadora da psicologia humana, Lygia é também mestra em extrair material literário do microcosmo cotidiano. Seu traço saliente, ressalta o professor, é uma “inclinação para a microscopia”. Bem-humorado, Dimas compara sua escrita ao comportamento felino — discreto, sedutor, mas pronto para um ataque com unhas afiadas, quando provocado — e adverte o leitor: “Fique esperto! Não confie no ron-ron de Lygia Fagundes Telles!”

Já a igualmente escritora e imortal da ABL Ana Maria Machado, aponta a “linguagem econômica, quase pontilhista, de frases curtas”, em posfácio a “Invenção e Memória”. Nesse livro, composto por episódios autobiográficos e histórias com forte apelo ao sobrenatural, “a invenção se intromete de modo inesperado, acrescentando novos significados à placidez da rotina”, nota Ana Maria.

Assim, anjos e vampiros assombram alguns relatos, enquanto a discussão com Paulo Emílio sobre o roteiro para o filme “Capitu”, inspirado em “Dom Casmurro”, de Machado de Assis, em meio a um lanche acompanhado de vinho; um relato poético sobre a visita à Igreja de São Francisco, na Bahia; e outro sobre o constrangimento causado por pedintes e vendedores de bugigangas nos cruzamentos das grandes cidades dão conta da vida “real” da escritora, traduzida para vários idiomas e agraciada com muitos prêmios, entre eles quatro Jabutis e o importante Camões, recebido em 2005 pelo conjunto da obra.

“As Meninas”, “Antes do Baile Verde” e “Invenção e Memória” - Lygia Fagundes Telles - Companhia das Letras, 304, 208 e 144 págs.

Publicado no caderno "EU&Fim de Semana" do jornal "Valor" em 8/5/2009


0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home