29.3.07

O trapezista e o equilibrista

Trapezista


De que maneira chegaremos
às brancas portas da Via-Láctea?

Será com asas ou com remos?
Será com os músculos com que saltas?

Leva-me agarrada aos teus ombros
como um cendal para agasalhar-te!

Seremos pássaros ou anjos
atravessando a sombra da tarde!

Deixaremos a terra juntos
e justapostos como metades,

sem o triste pó dos defuntos,
sem qualquer bruma que enlute os ares!

Sem nada de humanos assuntos:
muito mais puros, muito mais graves!

(Cecília Meireles, in Jogos Olímpicos)

O equilibrista


Essencialmente equilíbrio:
nem máximo nem mínimo.

Caminho determinado
movimentos precisos sempre
medo controlado máscara
de serenidade difícil.

Atenção dirigida olhar reto
pés sobre o fio sobre a lâmina
ser numa só idéia nítida
equilíbrio. Equilíbrio.

Acaba a prova? Só quando
o trapézio oferece o vôo
e a queda possível desafia
a precisão do corpo todo.

Acaba a prova se a aventura
inda mais aguda se mostra
mortal intensa desumana
desequilíbrio essencialmente.


(Orides Fontela, in Transposição)




1 Comments:

At 2/4/07 10:56, Blogger Arthur disse...

Cecília Meireles dispensa qualquer comentário... Excelente escolha...

Quanto ao equilibrio - nem vou comentar - desequilibradaço aqui por esses dias...

Abraço!

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home